Do artista ao articulador

Contemplado no edital de residência do arte.mov na Holanda, VJ pixel fala sobre o LabMovel

Texto: Mariel Zasso

arte.mov põe laboratório de mídias para circular em Kombi e promove intercâmbios de criação

O arte.mov chega a sua sexta edição como o mais expressivo programa voltado à arte e experimentação com, sobre e para mídias móveis no Brasil. Hoje patrocinado pela Vivo, virou ponto de reunião de diversas iniciativas em torno da chamada “cultura da mobilidade”, estimulando a criação, pesquisa, reflexão e difusão da arte em mídias móveis e locativas. Projetos, eventos, colóquios, mostras, exposições e o Festival Vivo arte.mov – o maior e mais importante evento do Brasil no gênero – fazem parte do Programa arte.mov atualmente.

Dentre as iniciativas está o LabMovel, que disponibiliza um laboratório de mídias móveis para a produção de residências de arte, workshops e eventos culturais, aliado a um programa de residência que este ano juntou um brasileiro e um holandês para colaborarem em um projeto artístico.

Um importante diferencial, segundo uma das coordenadoras do projeto, Gisela Domschke, é que “o LabMovel, apesar de ser um programa de residência artística, é um dos poucos a estender as oportunidades para além das fronteiras delimitadas, envolvendo pessoas com diferentes processos de criação dentro do campo da cultura digital.”

Residências nômades

VJ pixel é o brasileiro contemplado com a residência LabMovel por seu projeto Jandig (quea seLeCt já mostrou aqui). Recém-chegado da temporada de um mês na Holanda, ele contou um pouco da sua experiência como residente do Arte.mov, e da dificuldade de limitar as fronteiras das quais Gisela fala no seu próprio processo de criação de uma identidade como midiartista.

Neste domingo, o holandês Sander Veerhof chega ao Brasil para continuar o trabalhojunto a pixel em um laboratório móvel bem original.