Artur Alvim é um distrito da cidade brasileira de São Paulo, situado na região Leste 1, com 6,6 km² de superfície. Nele está situado um conjunto habitacional formado por prédios e residências baixas, denominado Cohab I.
O nome do distrito é uma homenagem ao engenheiro Artur Alvim, descendente de importante família paulistana, que participou na construção do Ramal de São Paulo da Estrada de Ferro Central do Brasil, que corta o bairro, e contribuiu na construção da primeira escola municipal da região. Essa escola, já destruída, também recebeu o seu nome. A região, que até então era um amontoado de chácaras conhecido como Santa Teresa, desenvolveu-se a partir da vila surgida em torno da estação projetada por Alvim.
Durante décadas o bairro e a região ficaram no esquecimento, até que o metrô chegou em 1987 (é atendido pela do Metrô de São Paulo pela Estação Artur Alvim), e mudou radicalmente as feições da área. Hoje, Artur Alvim é um bairro residencial em franco desenvolvimento.
Durante décadas o bairro e a região ficaram no esquecimento, até que em 1987 chegou no bairro a a Linha 3 (vermelha) do Metrô de São Paulo, a Estação Artur Alvim. No passado, também foi atendido pela Linha 11 (coral) da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos pela Estação Engenheiro Artur Alvim, cujas plataformas desativadas em 27 de Maio de 2000, com a inauguração do Expresso Leste, podem ser observadas até hoje.

arturalvim01
As únicas casas da vila em 22/9/1943. Foto tirada da plataforma da estação, que ainda não tinha prédio (Acervo Douglas Nascimento).
plataforma2004_2
Plataformas da antiga RFFSA em Artur Alvim, em 2009. Foto Rafael Asquini. http://www.estacoesferroviarias.com.br/a/artalvim.htm
plataforma2004
Plataforma desativada de Artur Alvim, em 2004. Foto Ricardo José da Corte.

Os Conjuntos Habitacionais da COHAB

“Cohab I cresce como opção de negócios.”
Bem antes da construção do estádio do Corinthians, Cohab José de Anchieta, a Cohab I, em Artur Alvim, se valorizava e movia internamente o mercado local.

Apesar de não ter sido o primeiro conjunto habitacional a ser inaugurado pela Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab), o conjunto Padre José de Anchieta, em Artur Alvim, é normalmente conhecido como Cohab I. Os primeiros moradores começaram a ocupar os prédios e casas do local em 1978.

Seus imóveis sempre foram muito procurados, a princípio por moradores do próprio conjunto, em busca de um local para seus familiares, mas, depois, por quem queira mesmo morar por lá. Afinal, tudo levava a uma valorização já naquela época. Acesso direto à principal via da zona leste, a Radial Leste, proximidade com o centro de Itaquera e, claro, preços interessantes.

No começo, as imobiliárias que se instalaram nas proximidades – e, com o tempo, dentro do conjunto – atendiam esse público que queria, por exemplo, um apartamento para seus filhos. As casas – um tipo de unidade que pouco se via em outros conjuntos -, não demoraram, começaram a ter “outra cara”. Seus proprietários, conforme melhoravam seus padrões de vida, também faziam melhorias em seus imóveis.

Um comércio local crescente nas principais vias, inauguração de estação de metrô nas proximidades (Artur Alvim), alargamento e extensão da Radial Leste, entre outros fatores, fizeram com o imóvel na Cohab I fosse valorizado. Muito antes do lançamento do shopping Metrô Itaquera e mesmo da inauguração do futuro estádio do Corinthians, na região, o imóvel local já sobrevivia e muito bem com a venda e a locação de apartamentos.

Hoje, a Cohab I tem outras características, diferentemente de outros conjuntos na cidade, ou mesmo na zona leste. É claro que ainda é um bairro-dormitório, pois não há indústrias por lá, quando muito na região. O comércio também não supre todas as vagas que os moradores necessitariam. Mas o futuro reserva ainda mais valorização.

A Copa do Mundo, em 2014, a futuro Pólo Industrial, entre outras coisas, desde já valorizam o imóvel no bairro/conjunto e, claro, refletem em toda a região. Para ter ideia, hoje, o metro quadrado no conjunto está entre R$ 2,7 mil e R$ 4,2, dependendo do tamanho e da localização dentro do conjunto. Isso, levando-se em conta que não há elevadores nos prédios e que eles, em sua maioria, não possuem áreas de lazer ou salão de festas, e cada unidade tem, em média, 58 m2. Ou seja, o valor está, sim, intimamente ligado à infraestrutura da região e as perspectivas que existem em razão do futuro eminente.”
http://www.zlimovel.com.br/noticias_cohab-i-cresce-como-opcao-de-negocios-zona-leste-sao-paulo_550-0-0-0-1_0.html

Entrevista sobre qualidade de vida no bairro
http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Entrevista-Sobre-a-Qualidade-De-Vida/815926.html

O recém inaugurado corredor de ônibus da Avenida Itaquera

O escritório que ganhou a licitação para deenvolver o projeto do CEU Jose Anchieta é o mesmo que escritório que ganhou pra fazer o projeto do corredor de ônibus da Avenida Itaquera. É o escritório chamado Urbaniza.

“Corredor Leste – Itaquera: 6,1 Km, R$ 225 milhões. OBRA INICIADA.

O Corredor terá faixa exclusiva à esquerda com pavimento rígido em toda a sua extensão, nos dois sentidos. Com o objetivo de aumentar a mobilidade dos coletivos os pontos de parada devem ser complementados com faixas adicionais para ultrapassagem, executadas em pavimento rígido. O projeto prevê ainda a implantação de dois viadutos no cruzamento da Av. Itaquera com Av. Aricanduva, o que possibilitará tanto ao Corredor Itaquera quanto ao Corredor Aricanduva, maior fluidez neste trecho que hoje é um grande ponto de congestionamento.

  • Recursos: PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e Prefeitura Municipal de São Paulo;
  • Prazo: 36 meses;
  • Término: Agosto/2016;
  • Status: Obra iniciada;
  • Integração: Terminal de ônibus Vila Carrão; Terminal / Estação Itaquera (Linha 3 Vermelha do Metrô / Linha 11 CPTM).”

http://prova2.suaempresa.net/Conteudo/174/sao-paulo-ganhara-mais-165-km-de-corredores

“Sob responsabilidade da SMT/SPTrans, o Programa de Mobilidade Urbana – Etapa 1, tem sua execução gerenciada pela SPObras, que vem conduzindo os trabalhos com ritmo promissor.
Nesta Etapa 1, o Programa prevê a construção de 94 km de novos corredores de ônibus, a requalificação de 30 km de corredores já existentes e a construção de quatro terminais urbanos.
(…)
3. Corredor Leste Radial 2, com 5 km de extensão, dá continuidade ao Leste 1 até a Estação do Metrô Artur Alvim
(…)”
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/infraestrutura/sp_obras/mobilidade_urbana/index.php?p=153651

“O corredor Leste Itaquera se estende por 14 quilômetros, entre o Terminal Carrão, Avenida Dezenove de Janeiro, Avenida Itaquera e Avenida Líder. Ele terá faixa exclusiva para ônibus à esquerda, com pavimento rígido em toda sua extensão.

Segundo a assessoria, as novas paradas terão altura de 28 cm para melhor atender os ônibus de piso baixo. A SPObras também compromete-se a implantar os novos modelos de abrigos de ônibus, mais modernos e seguros.

A empresa ressaltou, ainda, que o viário e as calçadas receberão rebaixamento de guias para a travessia de pedestres, dessa forma, toda obra estará de acordo com as novas normas de acessibilidade. O corredor contará, também, com moderna sinalização e nova rede semafórica sincronizada. O projeto prevê também a implantação de dois viadutos no cruzamento das avenidas Itaquera e Líder. A obra deve ser entregue em até três anos.”
http://gazetavirtual.com.br/corredor-de-onibus-av-itaquera-comeca-a-mudar/

 

fonte:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Artur_Alvim_(distrito)
http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/bibliotecas/bibliotecas_bairro/bibliotecas_a_l/jovinapessoa/index.php?p=5726