Panetone fala sobre a oficina #4

Como começou a sua história com o Labmovel?

Panetone: Era uma vez… Fiz uma oficina no artemov edição Belém. Como sou de Porto Alegre, me mandaram para o lugar mais longe possível. Em Belém, partimos da sucata eletrônica variada na tentativa de combinar elementos e criar novas formas gerar áudio e vídeo.

Quais foram as diferenças das duas cidades?

Panetone: Acho que em Belém estávamos em um ambiente mais controlado. No Capão Redondo, era ritmo de aventura todo instante.

Em Belém havia tanta criança?

Panetone: Em Belém tinha crianças também. E alguns eram artistas bonequeiros.

Como foi a apresentação final do Capão Redondo?

Panetone: Foi uma grande celebração, uma quebra de mito. Bastante gente não estava entendo nada mas quem se aproximou conseguiu ler o código e começar a entender um pouco das possibilidades do fazer, que tudo não passa de linguagem. E que peças eletrônicas e uma laranja vem da mesma terra.

Segundo dia da oficina #4 no Capao Redondo

O segundo dia da oficina #4 do Labmovel aconteceu hoje a tarde no Campo do Astro em frente a Biblioteca para Todos do Parque Santo Antônio no Capão Redondo, Zona Sul de São Paulo.

O oficineiro da oficina #4 Eletrônica Criativa e Producão Sonora foi Panetone.

E teve apoio da Casa do Zezinho, que levou seus alunos para a oficina.

Conheça os outros workshops que passaram pelo Labmovel em 2012: Realidade Aumentada, #1, #2, #3.

Panetone demonstrando como se cria um instrumento sonoro simples para produção musical

Um dos  alunos executando os ensinamentos da oficina

Panetone e uma das alunas da Casa do Zezinho

Visão do Campo do Astro, onde fica a Biblioteca , local da Oficina #4

Alunos da oficina

Panetone, Lucas Gervilla (documentarista do Labmovel) e Lucas Bambozzi (idealizador do Labmovel)

ARTE, TECNOLOGIA, MOBILIDADE

Estas oficinas confirmaram na prática a vocação do Labmovel: um veículo para possibilitar a produção de atividades e ações artísticas em diferentes situações ao abordar a carência de espaços culturais ou dedicados à experimentação artística em diversas regiões. Freguesia do Ó, na zona norte de São Paulo, São Caetano do Sul, no ABC paulista, Centro Cultural Monte Azul e Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, foram as regiões escolhidas.

As atividades funcionaram como forma de aperfeiçoamento dos próprios recursos do Labmovel no sentido de torná-lo adaptável aos novos contextos e circunstâncias em diálogo com as comunidades locais. Para além das mídias móveis, foram desenvolvidas atividades de construção de carrinhos de rolimã modificados, intervenções, grafitagem eletrônica, usos lúdicos da computação física e produções sonora do tipo “faça-você-mesmo”.

apoio: Fundação Telefônica – Brasil