AVISO AOS NAVEGANTES:

Labmovel vai passar por uma FAXINA. Até lá nossas atividades estão suspensas. Até a volta!

Anúncios

Dia #5: LabCEU 2016 Território José de Anchieta

O último dia de atividades no bairro Artur Alvim foi o momento de descontração entre os moradores. O encontro foi mais uma vez na praça do morcegão. Membros da Cia de teatro Tal & Pá fizeram uma roda de ciranda, chamando todos para dançar em círculo. O produtor do teatro, Lucas Ruiz, recitou uma poesia. Oclim e Brin, que organizam a batalha do morcegão na praça, cantaram duas músicas autorais, “dia a dia” e “eu sei”.

Dia #4: LabCEU 2016 Território José de Anchieta

Na parte da manhã encontramos com crianças 5 anos da EMEI Maria Vitória da Cunha. Para evitar que um repetisse a resposta do outro, os educadores criaram uma dinâmica em que eles revelavam as brincadeiras que mais gostavam em segredo. Uma das brincadeiras foi sorteada e em seguida todos brincaram de esconde-esconde.

12968185_585136291637447_3888918334866300649_o
Fechando a mão como um binóculo, se aproximaram da maquete e mostraram lugares que reconheciam: “aqui fica o trilho do trem”, “redondo redondo” repetiu uma menina que encontrou as caixas d’agua. Depois, localizaram a escola e a praça onde estávamos. Sugerimos que montassem uma cidade em cima do mapa usando alguns pedaços de madeira e peças de plástico. O que tem na cidade? o educador perguntou. Prédios!, responderam. E seguiram colocando pequenos caminhões de plástico em cima das ruas, uma tampinha de garrafa pet virou uma caixa d’água, um triângulo de madeira o telhado de uma casa. “Minha mãe me ensina a fazer cidades boas, olha: tem telhado, prédio, montanha em cima de um rio, piscina e um cano para construir o tubo d’água”

12973612_585136448304098_5900968610729200628_o

A última oficina foi com adultos. Escolhemos uma outra pracinha, em frente ao IML. Apesar de ter muitas árvores frutíferas e um ponto de taxi desativado, a população não se apropria do lugar que se encontra abandonado.

13055911_586485658169177_7345247953536152865_o
Esse grupo trouxe muitas histórias do passado, ressaltando que o bairro já melhorou muito, mas ainda tem muito mais para ser feito. “Antes não tinha nem padaria”, um senhor comentou. “Nós tínhamos que ir no Jardim Marília comprar pão, hoje temos padarias aqui”. Mostrando fotos antigas da Cohab 1, Zézinho disse que “Quem veio pra cá no inicio, já foi embora porque ninguém acreditava nisso aqui. Aqui era chácara”.
Depois de responderem três coisas que sabem fazer e as três coisas que gostariam de aprender, voltaram apara a AMMU (Associação dos mutuários e moradores da Cohab 1) onde o tradicional bingo de sexta feira estava prestes a começar.

Dia #3: LabCEU 2016 Território José de Anchieta

No bairro Artur Alvim, o Clube Escola Padre José de Anchieta é carinhosamente chamado pelos moradores de Matraca. Mas nem todo mundo sabe a razão do apelido. Nós conhecemos a Célia, que nos contou que a origem do apelido vem do nome de um grupo que organizava o som dos bailes que lá aconteciam semanalmente. Vinha gente de todo canto. Foi no Matraca que passamos o terceiro dia de ações no bairro. E será nesse espaço que o CEU José de Anchieta será construído.

Começamos o dia com o 6° ano (11 e 12 anos) da EMEF Padre Serafin Martinez Gutierrez. Como vem acontecendo, procuramos não perguntar sobre as expectativas com o futuro CEU nos primeiros momentos da atividade, que acabam sendo mais lúdicas e descontraídas. Segurando um espelho e ouvindo as direções do educador, os participantes exploraram visões diferentes da que eles tem normalmente naquele lugar. Através dos reflexos surgem novos enquadramentos do céu, do chão, em interações com o entorno.

12973017_585052308312512_45520626452462535_o

Depois dessa dinâmica, começamos, com um mapa em mãos, uma conversa em torno de suas atividades no bairro. Muitas crianças, residentes na Cohab I, listaram que normalmente andam de bicicleta, mas não na rua em que moram, porque passam muitos carros e por isso é proibido; gostam de brincar de subir em árvores, mas disseram que tem poucas árvores e as que existem estão “no meio do mato” e o pai não os deixa ir lá justificando que pode ser perigoso; Uma menina comenta que gostaria de cuidar da natureza e das plantas, enfatizando que as praças estão muito sujas.

13002553_585052451645831_3031235248168496084_o

Um pouco antes de terminar a atividade, sugerimos que as crianças viajassem mentalmente pelo futuro CEU. Fecharam os olhos e fizemos uma condução imaginária pelos ambientes, desde o percurso de entrada, passando pelas áreas externas, a piscina, a praça, até os espaços fechados, a biblioteca, o estúdio de som, etc.

Na parte da tarde, recebemos um grupo de mulheres que frequenta o Matraca para fazer ginástica, outras se juntaram a nós para participar da conversa. Algumas eram antigas moradoras do bairro, e nos contaram histórias, como a do baile do Matraca. As falas eram conduzidas por um cordão, que ia formando uma rede entre elas. Sugerimos uma dinâmica de reconhecimento de seus desejos e habilidades. Os desejos vieram mais evidentes, enquanto as habilidades, só após um momento de reflexão. O que de início era apenas reivindicação, transformou-se em um momento de troca entre as participantes da roda.

Dia #2: LabCEU 2016 Território José de Anchieta

Pela manhã, a turma do 1° ano técnico em administração da ETEC Teresa Aparecida Cardoso Nunes de Oliveira, entre 14 e 15 anos, participou de uma oficina de vídeo. Com orientações básicas de luz, som e enquadramento. Pedimos para que realizassem pequenos sets de entrevistas sobre o que gostariam de fazer no CEU. Os depoimentos foram postados no Instagram, com as hashtags #labmovel e #labceu. Ao final, os próprios alunos avaliaram as imagens que fizeram com as considerações técnicas apresentadas no começo da atividade.

Deixamos a Etec e estacionamos o Labmovel, mais uma vez, no centro da Praça Morcegão. Lá, encontramos com pessoas que fazem parte do Cia. de Teatro Tal & Pá e o pessoal da equipe que promove a Batalha de MC’s na Praça do Morcegão. Fizemos uma dinâmica em que cada um descreve três coisas que sabe fazer, a ponto de poder ensinar alguém, três coisas que gostaria de aprender e como eles se comunicam no bairro. Com as respostas, percebemos um forte envolvimento do grupo, que encontrou na nossa presença uma grande oportunidade de expor suas ideias e experiências com projetos que já foram desenvolvidos no bairro, como oficinas de teatro na escola e eventos que acontecem na Praça do Morcegão (shows de Rap nacional, improviso, slams e saraus). Mostraram bastante interesse no estúdio de gravação que será construído, onde acreditam, encontrarão os equipamentos e estrutura necessária para desenvolverem suas produções coletivas e individuais.

A Praça do Morcegão foi apontada como um ponto de encontro e trocas de informações sobre eventos que estão acontecendo, lugar onde curtem hip hop, fazem atividades físicas com a família e com crianças, enfim, um lugar de convívio social intenso.
Terminamos o dia com a participação de alguns jovens mostrando um pouco de Rap e Slam (poesia falada) à capela (sem instrumento).

Dia #1: LabCEU 2016 Território José de Anchieta

Algumas pessoas que andavam na praça Morcegão, no bairro Artur Alvim, viram a movimentação de crianças e a presença do Labmovel. Pararam para ver o que estava acontecendo, explicamos sobre nossa ação para entender a dinâmica e a diversidade do bairro no contexto da implantação do futuro Território CEU José de Anchieta. Mostrávamos a programação de nossas atividades os convidando para voltar.

IMG_0752

A primeira oficina no bairro foi com um grupo do Infantil II (5 anos) da EMEI Leonardo Arroyo. Umas das professoras explicou o nome formal da praça que homenageia uma antiga moradora chamada Dilva Gomes Martins e a razão do apelido “Morcegão”, vindo da forma de uma estrutura que existia antigamente para shows que lembrava as asas de um morcego.

Chamando a maquete fotográfica de quebra-cabeça, identificaram casas, a linha do trem a estação de metrô, a ponte, os campos de futebol e as caixas d’água.

Com a mediação dos educadores procuraram a escola que frequentam no mapa e qual o caminho que percorreram para chegar até a praça onde estávamos. Aos poucos foram se familiarizando com o desenho do bairro.

Construíram, em cima da maquete, o que reconheciam como parte do bairro: casas, garagens para carros, caixa d’água, campos de futebol e piscinas. De uma forma muito lúdica e espontânea listaram coisas e atividades que gostariam de fazer: brincar, se divertir, jogar de basquete, “futebolzinho”, gostariam que a grama fosse branca e verde, doce, brigadeiro, aniversário (festa), parquinho, bola, gol, vôlei, piscina, “escada” (arquibancada) para ver jogos. Brincadeiras de rua antigas e simples.

Após esse primeiro encontro com as crianças do bairro, a equipe do Labmovel se reuniu para fazer a rotineira avaliação da atividade e uma pergunta que surgiu foi:

– Qual é a melhor maneira de explicar para crianças de 5 anos o quê é um céu, sem dizer que é um prédio?

– É um lugar – definimos em conjunto.

Na parte da tarde, conversamos com os skatistas que usam habitualmente as pistas de skate da Praça do Morcegão. Construindo a maquete fotográfica, eles mapearam as pistas de skate que são usadas hoje em dia no bairro. O skate é uma tradição forte: “o pessoal anda mais de skate do que joga futebol”, disse um deles. E isso é visível pelo número de pontos que elencaram no mapa. Ao contrário do futebol, o skate ainda não possui uma organização tão estruturada no bairro, com times e clubes.

IMG_2406

A manutenção do espaço da praça muitas vezes foi feita por iniciativa dos próprios skatistas. Eles construíram um “palquinho” de concreto para praticar manobras, plantaram algumas árvores frutíferas e, quando necessário, fazem pequenos reparos na pista. Como uma rede colaborativa, organizam mutirões de limpeza na praça, ajudando uns aos outros quando precisam de peças, shapes ou até tênis.

A Praça do Morcegão, e parte dela apelidada de “quadradão”, é usado como ponto de encontro, pista de skate, lugar de competições, balada, e recentemente também é usada para sarau.

 

Próxima parada LabCEU: Território CEU José de Anchieta

Depois da semana de atividades na região do futuro Território CEU Pinheirinho D’água em março (link – post introdução),  o Labmovel se prepara para mais uma ação. A proposta desse projeto é buscar entender as complexidades e diversidade do bairro, em um processo que chamamos de “escuta” da região, dando uma atenção especial aos aspectos subjetivos, nem sempre aparentes em estatísticas, censos e mapeamentos.

De 05 a 09 de abril conduziremos atividades com crianças, adolescentes, jovens e idosos no entorno do bairro Artur Alvim, região da Penha, na zona leste, onde será implantado o CEU José de Anchieta. Como vem acontecendo nessas ações, a equipe fez uma série de visitas técnicas preliminares no bairro conhecendo os moradores e gravando entrevistas, em encontros que tiveram a participação ativa de moradores do Cohab I, um conjunto habitacional marcante na região.
cartaz-jose-de-anchieta
O resultado dessa “escuta” permitirá um mapeamento cultural da área, que será utilizado pela SMDU – Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano no planejamento urbanístico do entorno do CEU, ligando o mesmo a outros equipamentos e pontos de atividades culturais da região. O relatório serve também como uma fonte de sugestões para a programação do futuro CEU, junto às Secretarias de Cultura e Educação.

Equipe Labmovel

Coordenação geral: Gisela Domschke e Lucas Bambozzi; Produção: Marina Pinheiro Coordenação da equipe de arte-educadores e mediadores: Maria da Penha Brant; Pesquisa: Carolina Sacconi; Educadores: Maria da Penha Brant, Leonardo Polo, Orlando Coelho, Carolina Sacconi, Nara Rosseto; Webmaster e tecnologia online: Eduardo Fernandes; Operações técnicas: Ihon Yadoya; Vídeo: Lucas Gervilla; Motorista, apoio técnico: Rodrigo Motora; Redação e redes sociais: Julia Bac; Rolês, caminhadas em foto: Sato Casadalapa; Coordenação junto à SMDU: Tereza Herling; Produtores locais: Dona Edina; Interlocutores locais: DRE – Penha, Dona Mércia (assistente social – diretora ASSINDIC Cohab 1), Dona Graça (Grupos das Ruas), Sr. Edu (CDM Alvorada) e Sr. Mário (Negritude Futebol Clube), Lucas e Valéria (ARENARTE), Coletivo Batalha do Morcegão, AMMO – Associação dos mutuários e moradores da Cohab 1, Dona Edina, Dona Graça e Vânia. Tereza Aparecida C. N. de Oliveira (Etec);Sr. Anaildo e Escola de Esportes da Cohab – Esfuco;